21 outubro 2008

mr. big serial woman

lendo este post aqui, depois este, constatei que:

1 - é tudo verdade!
2 - sou uma serial mr. bigs woman!

verdade. vou tendo assim, um atrás do outro, desde meus sei lá quantos anos. e acho que, no fundo, eu alimento essas palhaçadas. ok! não acho nada disso palhaçada... na verdade, eu gosto. e acredito que, em parte, esses mr. bigs espalhados por aí (que eu sempre chamei de fantasmas, mas mr. big é um conceito muito mais adequado e divertido) são um jeito que a gente encontra de se sentir um pouco mais viva.
acho indispensável momentos e namoros leves, que não te privam a respiração, nem a concentração no trabalho. e já tive alguns assim, terra firme.
mas, de tempos em tempos, não dá pra não achar a melhor coisa do mundo a barriga esfriar, a mão tremer, taquicardia, os ataques de ansiedade (vide celinha). daí, vão aparecendo os mr. bigs e a gente vai gostando... vai alimentando... e vai sofrendo. ê beleza!!! (digo por mim, ô eu que gosto de sofrer, de um draminha)
daí, um dia canso e volto a querer um porto seguro. que pelo menos deixam a gente trabalhar, né?

4 comentários:

Paula disse...

eu tbem adooooro sofrer,que odio!!!
sweetbeijos!!
Paula (do SweetestPerson)

Kal disse...

Andei lendo algumas de suas postagens antigas e notei que você fala muito sobre o que é ser mulher.Vale ressaltar que ser "mulher" é muito mais do que um salto alto, batom e outras futilidades. Não que isso seja futilidade, mas a partir do momento em que uma pessoa tenta definir a "verdadeira natureza feminina" dessa forma é no mínimo achar que só existe um tipo de mulher no mundo,isto não é regra, antes do mundo ser mundo não existia esta ridícula definição,não precisamos nem ir tão longe,um exemplo são homens e mulheres de algumas tribos africana em que ambos lutam pela sobrevivência. Nesta hora o masculino e/ou feminino,não existe.Então a nova visão da mulher hoje em dia(mais um novo estereótipo)é o da super - mulher, a que consegue dar conta dos filhos(o pai também tem a obrigação de participar, não só a mulher), trabalho(mesmo sendo muito mais competentes que eles ainda ganhamos menos e somos desrespeitadas em certos casos), e do marido(não sou babá, sou esposa) e tudo isso sem perder a femilinidade!? Ora por favor, existem mulheres e mulheres neste mundo, cada uma com estilos de vida(pensar, agir, vestir, falar, amar)diferente, inclusive aquelas que querem ser cachorra. Não leve isto para o lado pessoal, mas não resisti depois de ler os textos, toda crítica é construtiva, seja ela para o bem ou para o mau, cabe ao receptor decidir se irá absorver e reflfetir sobre a mensagem, ou se irá descartá-la. Bjinhos!!! =-) necroart@rocketmail.com

matheus disse...

rs...
olá srta bigs... estou aqui, porque não consigo trabalhar!


(...)

Maria Olindina disse...

Olá,
Gostei Matheus do seu comentário: "srta. bigs... estou aqui porque não consigo trabalhar!"

Parabéns pelo Blog, Nisha- originalíssimo.
Um abraço,